terça-feira, 24 de novembro de 2015



IN DECISÃO



Amanhã, Santos e Palmeiras começam a disputa final da Copa do Brasil.
E como eles chegam nessa situação? Com seus jogadores desgastados, perto do limite de uma contusão, expondo atletas de custo altíssimo a gramados perigosos, navegando entre horas de voo e chuvas torrenciais. E mais, deixando de lado a fase decisiva do Campeonato Brasileiro em que enfrentam adversários diretos na busca de melhores posições no torneio ou times que estão vivendo o terror do rebaixamento. E tem o sequestro infame das seleções brasileiras que arrastam seus jogadores para o cativeiro da CBF e dos treinadores de métodos totalmente diferentes dos utilizados no clube, expõe todos eles a riscos físicos e tentações psicológicas e não dão nada em troca, além de facilitar o assédio dos empresários sanguessugas que, no mínimo, deixam os jogadores com as cabeças cheias de euros ou dólares.
Se fosse só uma questão de calendário já seria difícil de justificar esse acúmulo de jogos e torneios. Mas está na cara que a intenção é criar um ambiente propício para jogadas que não têm nada de bonitas ou estratégias 4-1-4-1 ou 4-3-3 moderno. A coisa é mais mesmo de "vai lá um e dá quatro cá".
E aí não dá mesmo pra aparecer no aeroporto e nem pra entregar uma taça. E dá de de repente não resistir à uma medalha no bolso





...ahh é não é esse que tem essa cleptomania...é o outro que está de tornozeleira em Nova York.





Eles é que tomaram a indecente decisão de manter e aperfeiçoar o esquema infeliz em que o nosso futebol está metido.




 O resultado são os 6 a 1...oops como eu estou me enganando hoje, é do 7 a 1 que eu estou querendo falar.

11/2015
Pra começar a falar de futebol por aqui também, me inspirando no brilhante texto do Flavio Gomes.

NEO-FUTEBOL

SÃO PAULO (vou me arrepender) – Eu não devia, mas tudo bem — é que falar de futebol para quem acha que o mundo começou quarta-feira passada tem se tornado um estorvo, muitas vezes.
Mas vamos lá.
Travo um embate diário com meus colegas na TV que, com seus argumentos, todos muito válidos, mas dos quais discordo e discordarei até a morte, defendem este modelo de futebol que em pouco tempo transformou, por exemplo, um clube popular como o Corinthians num reduto elitizado em que alguns neo-torcedores comemoram rendas e verbas de TV.
Eu era editor de Esportes da “Folha” quando o Corinthians ganhou seu primeiro título brasileiro. Foi em 1990. A foto que escolhi para a capa do caderno foi essa aí embaixo, de autoria de Luiz Carlos Murauskas.
murauskas
Não escolhi nenhum jogador, técnico, ex-atleta ou dirigente. O negão com camisa pirata atravessando o gramado do Morumbi de joelhos, para mim, era a imagem que mais se aproximava do que era o Corinthians.
Ontem, no luxuoso estádio de Itaquera, que tem banheiros de mármore com monitores de TV para quem está mijando, ninguém atravessou o campo de joelhos. Na hora de receber o troféu, os jogadores contaram com a igualmente luxuosa presença de Ronaldo Fenômeno, que se converteu num símbolo vivo dessa transformação pela qual o futebol está passando.
Ronaldo jogou pouco tempo no Corinthians. Sua fama e tino empresarial, no entanto, ajudaram o clube a conseguir diversos patrocinadores de peso e elevaram o Corinthians a “case” de marketing, a ponto de seus torcedores terem de usar pulseirinhas de balada VIP para frequentar as cadeiras do Pacaembu. Os ingressos passaram a custar mais, bem mais, e a arquibancada clareou.
E Ronaldo, que é flamenguista e apenas encerrou a carreira no Parque São Jorge, sem nunca ter feito uma verdadeira história no “time do povo”, ganhou “identificação” com o clube e “virou” corintiano, “mais um louco no bando”. Quando, na verdade, sua única identificação com qualquer coisa que diga respeito ao Corinthians são os negócios que gerou. Mas foi ele, e não Rivellino, Marcelinho ou Tupãzinho, heróis do passado verdadeiramente identificados com suas cores, que foi ao pódio beijar a taça.
Claro que o Corinthians continua sendo um clube de enorme apelo popular. Tem mais torcedores do que qualquer outro, como tinha durante os anos de jejum e sofrimento, entre 1954 e 1977. Quem torcia nos tempos das vacas magras continua a torcer e está feliz da vida. E os títulos empilhados graças ao poder financeiro que o clube ganhou só farão essa legião de seguidores aumentar.
Mas não foram, e não são, os títulos que forjaram a imensa massa de torcedores do Corinthians. O clube foi fundado por operários no início do século passado, firmou-se como uma alternativa a clubes de colônia como Palmeiras e Portuguesa e à elite da cidade representada pelo São Paulo, e ganhou adeptos especialmente entre os pobres e migrantes nordestinos que não se identificavam com os outros times grandes da cidade — de novo, cujas torcidas eram formadas basicamente por descendentes de italianos e portugueses, ou paulistanos da gema.
A torcida cresceu, e a seca de títulos, por incrível que pareça, ajudou naquele momento histórico, porque o sofrimento do time em campo combinava com a vida sofrida de quem torcia por ele. Foram os corintianos que deram a maior demonstração de fé e amor numa semifinal de Brasileiro em 1976, dividindo o Maracanã com a torcida do Fluminense. Foram os corintianos que pintaram esta cidade de preto e branco quando Basílio fez o gol redentor do fim do jejum em 1977 contra a Ponte. Foi no Parque São Jorge que, nos anos 80, aconteceu o movimento mais importante da história do futebol brasileiro, a Democracia Corinthiana comandada por Sócrates, Casagrande e Wladimir.
Esse Corinthians de hoje é o mesmo?
Não creio. É perceptível um neo-corintianismo em São Paulo e no resto do Brasil, turbinado pela TV, especialmente, e por conta disso surgiram os neo-corintianos, seduzidos pelas pulserinhas VIP, pelos camarotes de Itaquera, pelas cadeiras brancas almofadadas e pelo mármore dos banheiros. Esse cara da foto de 1990 não frequenta mais as arquibancadas — cadeiras, melhor dizendo. A nenhum cara como esse da foto será franqueado, jamais, em tempo algum, o direito de atravessar um gramado de joelhos com uma camisa pirata num jogo do Corinthians.
Pode-se defender estes novos tempos argumentando que o mundo evoluiu, que os negócios aumentaram, que os patrocinadores exigem, que a Nike é importante, que não pega bem mais chamar estádio de estádio, tem de ser arena, e que é importante, sim, ganhar títulos, ganhar dinheiro, festejar a renda que aparece no telão, comemorar verba da TV. Há quem pregue a elitização definitiva, os ingressos caros, franquias, lugar cativo na primeira divisão para uma dúzia de clubes eleitos, cadeirinhas, público sentado, um modelo europeu ou norte-americano de ver esporte — ainda que, na Europa, vários países resistam a isso que chamo de “coxinhização” do futebol.
Eu acho isso um porre. Acho que esse tipo de evento pode ser qualquer coisa, menos futebol. Ver o público que lota os lugares do Santiago Bernabeu ou do Camp Nou me dá azia. Futebol não é teatro. É uma experiência sensorial, é a coisa mais importante do mundo. Não dá pra ver sentado.
Hoje, quem tem menos de 30 anos e frequenta os estádios de São Paulo não sabe o que é empunhar uma bandeira, fazer calo no bambu, estender uma faixa no alambrado. Na Arena Corinthians, todas as faixas, exceto as das organizadas atrás de um dos gols, são “fake”. Elas são novinhas, lavadas e passadas, e colocadas no peitoril das tribunas por funcionários do clube. Dizem coisas como “Tu és religião” e “Bando de loucos”, “Festa na favela”, coisas que torcedor algum, de verdade, escreveria numa faixa. Funcionam como decoração do estádio. Desculpem, da arena. Clichês ridículos que não se aplicam mais ao que é o Corinthians. Favela, aquele estádio com gente que paga 500 reais para ficar perto do campo? Façam-me o favor…
As pessoas tiram selfies, se olham no telão e convivem com esse ambiente artificial e pouco democrático — os ingressos são muito caros e é bem evidente a “troca de público” nos jogos do Corinthians, quando se olha para quem frequentava suas arquibancadas alguns anos atrás.
Ah, mas você não vai lá e não sabe o que está falando, tem rico e pobre, branco e preto, velho e criança. Pode ser, pode ser. Posso estar sendo antiquado e nostálgico, posso estar me baseando naquilo que vi na primeira — e única — vez que fui ao estádio novo do Corinthians, desculpe, arena, num jogo do Campeonato Paulista deste ano. Fiquei no reservado aos visitantes, com a torcida da Portuguesa. Achei o estádio lindo, de verdade. Gostei da arquitetura, da iluminação, do placar, é realmente sensacional. O Corinthians e os corintianos mereciam algo assim, grandioso, afinal foram décadas, um século, sem ter uma casa para chamar de sua — a arena ainda não foi paga, mas acredito que será, um dia, e não há ironia alguma aqui.
Ocorre que o que vi no Itaquerão naquele dia, em carne e osso, e o que vejo pela TV toda semana não me parece mais o Corinthians, aquele Corinthians do negão atravessando o campo de joelhos. Soube que há setores, inclusive, em que as pessoas gritam “senta” para quem quer ficar de pé. É o Corinthians dos neo-corintianos.
Não há sofrimento, dor, dificuldade. Se tem algo que me irrita profundamente nos neo-corintianos, é esse discurso resgatado do passado, de que “para o Timão tudo é difícil, suado, sofrido”. Não é mais. É tudo bem fácil, na realidade. O clube ganhou um estádio, tem todos seus jogos transmitidos pela TV, a Globo paga a ele dez vezes o que dá, sei lá, à Chapecoense, os juízes ajudam, o dinheiro flui com enorme facilidade. Na verdade verdadeira, hoje para o Corinthians é tudo muito, muito fácil.
Há méritos, claro, em transformar tais facilidades em conquistas. Gente competente na comissão técnica, no grupo de atletas, no marketing, na administração — embora o Corinthians atrase salários e deixe de pagar impostos de vez em quando, como confessou o ex-presidente e atual deputado Andres Sanchez. Mais de cem anos depois de sua fundação, finalmente o Corinthians deixou de ser um clube bagunçado, risível, às vezes, para ingressar numa elite econômica à qual, no fundo, nunca pertenceu.
É disso que se trata: de mudança de classe social. O Corinthians continuará sendo o clube com mais torcedores em São Paulo e possivelmente no Brasil, a tendência é de que isso aumente ainda mais, porque brasileiro gosta de ganhar, sobe no barco cujas velas se inflam mais, é muito mais fácil exercer seu sentimento de superioridade quando se torce para um time que conquista títulos, que tem estádio bonito, que usa camisa Nike, que é chique como este Corinthians de 2015 em que nem trabalho para colocar uma faixa no alambrado o torcedor tem.
Eu preferia aquele do negão com camisa pirata cruzando o campo de joelhos, mais autêntico e castigado, aquele que sabia transformar pequenas alegrias em felicidade plena, aquele do povo.
Como a torcida do Santa Cruz, essa do vídeo aí embaixo. Duvido que ontem, no Itaquerão, houvesse alguém mais genuinamente feliz do que a gente coral que foi às ruas comemorar a volta do Santinha à Série A — sem estádio de mármore, sem telão, sem selfies, sem camarotes, sem pulseirinha VIP.
Gente que fica feliz quando vai a um jogo de futebol ver seu time, e não a um evento corporativo em que parte da curtição é apontar para o telão quando aparece a renda, cheio de orgulho por cifrões.

domingo, 4 de outubro de 2015

ECLIPSE LUA VERMELHA e VIDA EM MARTE

De repente a astronomia vira assunto de elevador, conversa de botequim, ocupa o facebook e tudo mais. Sim amigos e amigas...esse conteúdo tão glamoroso e cotidiano é astronomia, da melhor espécie. Incrível, mas a terra é mesmo um planeta girando em torno de si mesmo e navegando em torno do sol, com a belíssima companhia da lua. Tudo o que parece calmo e sossegado pra gente, acontece a velocidades quase insuportáveis para os nossos veículos mais avançados.
Para levar os 33 anos que vai demorar pra voltar a acontecer novamente um eclipse como este, a terra corre em torno do sol a impressionantes 107.200 km/h, cento e sete mil e duzentos quilômetros por hora. A lua é uma velocista e tanto. Além de seguir acompanhando essa loucura da terra em volta do sol ela é uma super corredora, girando em torno da terra a 3.700 km/h.
Um ponto na superfície da terra, na linha do equador, logo ali no norte do Brasil, gira a mais de 1600 km/h, mil e seiscentos quilômetros por hora. A nossa sorte é que temos uma gravidade bem legal por aqui, senão já teríamos sido arremessados bem antes de existirmos. E mais sorte temos ainda porque tudo corre junto com a gente: as plantas, os pássaros, o mar, o ar, a atmosfera. Ah sim...sem ela não seríamos nem nada disso nem veríamos a lua mais avermelhada.
E Marte com água? Com vida? Sem marcianos? Com rosto de Jesus?
Mais ou menos dúvidas, mais ou menos fantasias, Marte é o próximo passo da exploração espacial. O noticiário faz bem para a pesquisa porque ajuda a movimentar recursos, e a NASA sabe fazer essas coisas muito bem. Por isso é bom ler as matérias inteiras e perceber que aquelas visões virtuais que “esverdeiam” a superfície do planeta, são belas manobras de marketing, mas os cientistas não confirmam nada.
O mundo gira, a lua gira, o sol gira, a via láctea gira, e a gente tem que ficar atento e forte e coração tranquilo para que a mente quieta saiba apreciar as maravilhas do universo e as nossas conquistas, sem ficar tonto com tantos giros e com tantas informações sobrepostas rolando nas redes.

Cleston Teixeira
Setembro 2015
(Voltando às Cronicas Astronômicas)

CONJUNÇÃO RARÍSSIMA

Conjunção coordenativa, subordinativa, adverbial ou conjunção carnal...todas elas comuns, mas muitas vezes ocultas fora das análises gramaticais, sintáticas especialmente para os que falam a língua sem pensar.
Júpiter, Vênus, Lua, e ainda seus asseclas, ooops satélites também formam conjunções aditivas, transitivas e cumulativas de várias ordens. Sim, os astros vêm com tudo o que está em torno deles, satélites, anéis, mitos e lendas de cada um e de todos nós. Porque tem gente que conta histórias de filhos que nascem com cara disso e jeito daquilo quando a lua está em um ou em outro. Tem gentes que fazem previsões otimistas quando os brilhos se juntam e tem povo que jura que quando a lua está em júpiter é sinal certíssimo de mudança de uma era.
Não há nada mais chato do que um cara metido a conhecer de planetas e luas vir com esse papo de que esses encontros visuais de astros são muito comuns e não significam nada, mesmo porque as distâncias entre eles são tão, mas tããão grandes que nenhum dos seus possíveis habitantes ou fluxos energéticos fariam qualquer diferença para esses insignificantes observadores dessa bolinha azul.
Aliás quase ninguém sabe, ou se lembra porque que essa bolinha é azul, e menos ainda que esses brilhos poderiam ser bem mais brilhantes se a gente não enchesse o azul que nos envolve de tanta porcaria. Quase ninguém percebe que cada vez menos gentes se incomodam de não ver mais as estrelas, saber seus nomes, reconhecer os desenhos que criamos no céu, brincar de fazer seus próprios desenhos enfim curtir esse incrível cine 360 que temos à disposição.
Conjunções são mesmo fenômenos atraentes, principalmente quando a gente sabe o tamanho da coincidência e da sorte de sermos os únicos prováveis observadores desses encontros de astros no mesmo ponto de vista. E digo prováveis porque podem haver outros moradores não identificados por aqui, que também possam “olhar” para o céu...sei lá, tem tanta gente circulando por aí!!!


Cleston Teixeira

Julho 2015

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Olá...por incrível que pareça voltei. Tudo por causa do som e da arte.

" O silêncio tem a sonoridade da vida."  ( John Cage)

O som é uma deformação da energia do espaço tempo.
O som existe sem ser ouvido?
O som existe se não for transmitido?
O som é elemento atmosférico. O som não existe sem o ar. O som é da Terra. O som é dos vivos, o som é a vida.
A arte do som é a música da natureza.
A criança apresente a se ouvir como um golfinho.
O som e a luz são as ferramentas para a construção da consciência
A arte do som é a música
A arte da luz é o desenho.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Lançamento do CD no Ateliê Ocuille

Vai rolar um pocket show no Ateliê Ocuille, na próxima quinta-feira, dia 10 de maio, a partir das oito da noite. Além do Mizinho nos teclados e da Priscilla na percussão, vamos ter a participação do Danilo Tomik e seu shakuhachi e do Álvaro (Alvinho) Cotarelli e sua guitarra. O clima do lugar é uma delícia pras 40 pessoas que cabem por lá. Tenho a honra de fazer o primeiro show ali, e já agradeço a acolhida e espero que dê certo pra que outras pessoas chegem com seus trabalhos.
Até lá.

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Lançamento do CD "O MUNDO PARTIU-SE EM DOIS'


O MUNDO PARTIU-SE EM DOIS



Depois de muitos anos voltei a cantar num palco do Galpão Cultural do Jardim Lapena, e um músico, um violinista veio me falar que gostaria de tocar comigo. Um tempo depois a cena se repetiu com um percussionista, e eu que sempre tive que chamar gente pra tocar comigo, pagando ou nem tanto, fiquei todo feliz e fui para a dança. Foram o Marcos Antunes e o Cafú 100% percussão que me levaram para o palco e para o estúdio. Isso sem contar o abraço do Raberuan que abriu o espaço e do Akira que encheu o espaço de poesia e desafio.
Esta foi a base do disco: o meu violão, o violino do  Maestro Antunes e a percussão do Cafú.
Mas os mágicos do CD foram o Mizinho e o Mizão, no estúdio, nos samplers, nos teclados, nos violões e na paciência de ouvir palpites e mixar de forma econômica e sensível as 12 faixas do disco.

FICHA TÉCNICA

Cleston Teixeira
Voz, violão.

Marcos Nunes
Violino

Cafú
Percussão

Mi de Carvalho
Violões de aço

Mizinho de Carvalho
Piano e Teclados




Mixagem e masterização
Mizinho de Carvalho

Programação de samplers
Mizinho de Carvalho

Arranjos e produção
Cleston Teixeira

Fotos
Robson Martins

Arte
Will  Designer

A CAMBARÁ PRODUÇÕES é uma homenagem ao meu pai Teixeira Filho, filho da cidade do norte velho do Paraná, e à minha querida mãe Carmem Lídia, que está aí firme com a presença de seu parceiro de vida.
AGRADECER é coisa pra todo dia e pra muita gente querida que me apoia e me inspira, mas tem um especial para a ANA LETÍCIA PENEDO que me deu um beijo e disse “vai em frente”, e eu fui, e vou.
Contatos: 11 76896071